google-site-verification: google7721a69443d11381.html
 

Você tem enxaqueca? Seu corpo pede socorro!


A enxaqueca é um distúrbio primário de cefaléia que afeta de 10% a 20% da população. O distúrbio é caracterizado por ataques recorrentes, de moderados a graves, com dor pulsante em um lado da cabeça, que podem durar de quatro a 72 horas, com crises que variam de uma vez por mês, até três a quatro vezes por semana. Algumas pessoas têm dores de cabeça diariamente.

A dor da enxaqueca é frequentemente associada à fotofobia (aversão à luz), fonofobia (aversão aos sons), náuseas e vômitos e pode ser ainda mais agravada quando associada à atividade física.

Algumas pessoas têm a enxaqueca com sintomas na visão: pontos cintilantes e, às vezes, há falhas e não enxerga temporariamente em uma parte do campo visual. Outras têm as frequentes crises associadas à síndrome das pernas inquietas e distúrbios do sono.

Na medicina convencional são utilizados diferentes medicamentos em conjunto para tratar a enxaqueca: os de constrição dos vasos sanguíneos para o bloqueio da dor em crises intensas, outros utilizados a doenças cardiovasculares, outros para evitar a náusea e o vômito, além de antidepressivos, anticonvulsivante e antiinflamatório, como o naproxeno ou corticoides.

É preocupante também a quantidade de medicamentos analgésicos usados na automedicação. Há quem toma de 10 a 20 comprimidos por dia! Porém, a enxaqueca é resultado de um desequilíbrio sistêmico imunológico, endócrino e vascular, que gera um sinal de alerta por meio dos sistemas vascular cerebral e gastrointestinal.

Sintomas que manifestam antes da crise parecem ser as causas da dor de cabeça. Má digestão, algum tipo de alimento como gordura, trigo, chocolate ou leite, cheiro forte podem anteceder o quadro doloroso, fazendo com que as pessoas evitem tais estímulos, sem resultado efetivo para a cura da enxaqueca.

Essas intolerâncias dão origem as crenças de que restrição de certos alimentos ou de alimentos que melhoram a enxaqueca é necessária. Na verdade a enxaqueca é um grito de que precisamos cuidar de nosso modo de vida.

A alimentação é importante, não como restrição de certos tipos de alimentos, mas como meio correção do desequilíbrio metabólico. O conhecimento de como nosso corpo funciona, como se defende, como é agredido pelos fatores externos é uma importante aprendizado para manejar e curar a enxaqueca e os sintomas correlatos como a depressão,as dores no corpo, as pernas inquietas e os distúrbios gastrointestinais.

Muitas pessoas têm se curado da enxaqueca pelo aprendizado e prática da medicina do autocuidado, proposta do Instituto Aleema por meio do Programa Comunidades de Autocuidado, para a redução das doenças crônicas não transmissíveis.

Por meio de um processo educativo você pratica as orientações de cuidado enquanto experimenta as mudanças em seu organismo. Além de curar a enxaqueca, você também estará se prevenindo de doenças como diabetes, cardiovasculares, depressão, câncer e problemas osteoarticulares.

São oito encontros que irão mudar a sua vida, começando dia 10 de julho. Você aprenderá uma reeducação alimentar e vários outros ensinamentos do autocuidado.

Últimas vagas! Venha participar da nova turma: apenas uma terça-feira ao mês, das 16h às 20h, na Rua Macaé, 107.

Inscreva-se online pelo link: https://www.institutoaleema.com.br/events/programa-comunidades-de-autocuidado-julho ou em nosso escritório na Rua Marechal Rondon, 1636, sala 601.

Saiba tudo sobre o Programa clicando aqui. Atendemos pelo telefone: 67 99822-4484, das 14h às 19h ou pelo email institutoaleema@gmail.com.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags